• O frio já se faz sentir, as lareiras começam a crepitar, as luzes de Natal enfeitam as ruas e tu arrastas uma lista no bolso com as pessoas a quem queres comprar um presente. Não tens tempo, não tens paciência para andar nas compras e acima de tudo, não sabes como fugir ao livro, à garrafa de vinho, às velas perfumadas e à camisola de malha.
    Nada temas. Como é habitual aqui no blog, e encarnando a figura de ajudante de Pai Natal que tão bem condiz com a minha estatura, trago no meu saco imaginário variadíssimas sugestões de presentes de Natal diferentes e com a vantagem adicional de serem todos 100% portugueses, que eu levo muito a sério esta coisa de privilegiar o que é nosso.
    Preparados? Então aqui vai.

    1. À Capucha
    A capa tradicional portuguesa, usada por pastores e lavradores, feita à mão em tecido 100% lã impermeável, foi reinventada para se adequar a um estilo de vida cosmopolita. Directamente da aldeia de Arões para qualquer ponto do país, estas capuchas são feitas por encomenda e demoram cerca de 3 semanas a estarem prontas, por isso, não te atrases ou o Pai Natal não terá tempo para a entregar.


    2. Aldeia da Roupa Branca
    Lavar a roupa à mão já não é tão comum como nos tempos do filme de Beatriz Costa, mas invariavelmente há que fazê-lo. E porque não fazê-lo com os cheirinhos de outros tempos? Esta marca portuguesa aposta no sabão tradicional, mas também nas águas perfumadas para passar a ferro, nos saquinhos par perfumar os roupeiros e muito mais. Um cofret como na imagem ronda os €35 e é um daqueles presentes surpreendentes impossíveis de não gostar.


    3. Peças Bordalo Pinheiro
    Nada como manter as tradições vivas e ao mesmo tempo oferecer uma obra de arte. Com peças a partir dos €6.90, desde pratos a jarras ou bonecos decorativos, há muito por onde escolher na loja online ou num dos inúmeros pontos de venda por esse Portugal fora, como as lojas Vista Alegre ou A Vida Portuguesa.


    4. Máquina de café Briel
    Para fugir à monotonia das máquinas nespresso e afins, cujas cápsulas, sabe-se agora, são uma praga e um pesadelo para reciclar, que tal apostar numa marca portuguesa e voltar a usar café a sério? Para mim pode ser esta edição especial em cor-de-rosa, ouviste Pai Natal? É tãoooooooo linda!


    5. Licores Pinguça
    Com sabores como cacau ou maracujá, estes licores artesanais mas com um design inspirado nos antigos elixires boticários, vão fazer as delícias de qualquer adulto e são uma alternativa deliciosa à aborrecida garrafa de vinho (não desfazendo nos magníficos vinhos portugueses de todas as regiões e preços que temos por aí). As receitas são de uma tal Avó Micas, que até dá nome a uma das variedades.


    6. Produtos Hands on Earth
    E continuando numa onda gourmet, esta sugestão traz-nos o melhor da agricultura biológica: tisanas, compotas, mel, frutos desidratados e ervas para cozinhar. Podem ser comprados individualmente ou na forma de bonitos cabazes que vão dos €7.95 (3 condimentos simples) aos €34,50 (cabaz composto por vários produtos premiados, que se vê na imagem). Não parece delicioso?


    7. Viagens Chocolate Box
    Forest Gump dizia que a vida é como uma caixa de chocolates, nunca se sabe o que nos vai calhar. Foi a pensar nisso que o experiente viajante e guia Inácio Roseira criou a Chocolate Box, a primeira agência de viagens focada em escapadinhas de 3 dias cujo destino é surpresa. Só temos de escolher as datas, três cidades que não queremos mesmo que nos calhem e esperar pela surpresa que só chega na véspera da partida, acompanhada de um guia personalizados da cidade, um livro para ler na viagem e uma tablete de chocolate. O preço é €495 e inclui voo e 2 noites em hotel de 4 ou 5 estrelas com pequeno-almoço. E o mais giro é que, sendo o destino surpresa, podemos oferecer uma Chocolate Box a nós próprios! Adoro a ideia.

    8. Sapatos Rumbanita
    É verdade, para mim não há Natal sem sapatos e estes são de morrer! Inspirados nos sapatos de dança de salão e tão confortáveis que nos fazem querer mesmo dançar, as Rumbanitas são o presente ideal para mulheres que, como eu, nunca terão demasiados sapatos.

    9. Brinquedos Science 4 you
    Há muita gente que desconhece que esta marca é portuguesa. Sim. É mesmo. Mas não é só por isso que os brinquedos e jogos Science 4 You são um presente giro para miúdos a partir dos 3 anos. É porque os jogos e puzzles e laboratórios são mesmo didáticos e divertidos. E há para todos os gostos: dinossauros, planetas, experiências de química ou botânica, fábrica de sabonetes ou de iogurtes! Tudo para pequenos exploradores.

    10. Agenda IPO
    Ilustrada pelo multi premiado João Vaz de Carvalho e partilhando histórias de 12 personalidades portuguesas, esta agenda vai acompanhar o seu dono durante todo o ano com imagens e textos inspiradores, ao mesmo tempo que as receitas revertem para uma das causas mais nobres que conheço, a ala pediátrica do IPO. Porque para mim, Natal é também fazer mais pelos outros.



    E agora apressa-te, que já só falta um mês! Feliz Natal!

  • Estou a preparar o meu próximo projecto e tenho andado a pesquisar as histórias mais inacreditáveis que acontecem com CHEFES. Desde o clássico "tens muita sorte em ter um emprego" ao "há mais quem queira o teu lugar", há coisas que os chefes nos dizem ou fazem que contado ninguém acredita. E são precisamente essas histórias que eu preciso.

    Queres ajudar-me?
    Se quiseres, basta enviares um email para filipafonsecasilva@gmail.com ou enviares uma mensagem privada pelo Facebook com a tua história mais inacreditável/hilariante/surpreendente.

    O total anonimato está garantido e as histórias que eventualmente usarei serão sempre contadas na perspectiva de um personagem fictício sem mencionar nomes, locais de trabalho ou qualquer outro pormenor que possa identificar os intervenientes. Por isso, nao tenhas pudores e deita tudo cá para fora ;)

    Obrigada desde já!

    Um beijinho

    Filipa Fonseca Silva


  • O resultado das eleições americanas surpreendeu-me. Sim, chamem-me ingénua, mas mesmo depois do Brexit acreditei no melhor, e sobretudo que a estupidez humana tem alguns limites, pelo menos os limites de não votar em alguém que fala das mulheres com frases como “grab them by the pussy” ou dos imigrantes mexicanos com um “they are murderers and rappists”. Pois. Parece que mais uma vez a minha esperança na nossa espécie foi demasiada e os factos demostram que não há mesmo limites para a estupidez.

    Por mais que os especialistas expliquem este resultado com teorias acerca do voto contra o sistema ou como reacção à crise global, na esperança ingénua de que as coisas voltem a ser como nos dourados anos noventa onde a prosperidade e ostentação no mundo ocidental eram os valores glorificados, custa-me aceitar que entre dois males se escolha aquele que personifica tudo aquilo de que o mundo neste momento não precisa: aquele que assenta num discurso populista, odioso, misógino e ignorante. E já agora era importante que as pessoas finalmente percebessem que o mundo nunca mais vai ser como nos anos noventa, que os recursos são escassos e finitos, que o planeta não sobrevive a milhões de pessoas a guiarem carros poluentes, a comerem três quilos de carne de vaca por semana e a viverem em casas de sete assoalhadas com vinte televisões.

    E isso leva-me precisamente ao que realmente me assusta nesta eleição e na razão pela qual considero que o fim do mundo está próximo. Não é o facto dos americanos terem um presidente xenófobo, machista, mal-educado e ignorante. Isso é um problema deles e será um problema tanto maior quanto as medidas que ele vier a adoptar, que incluem coisas como acabar com o Obamacare e manter o acesso às armas como está. O que é devastador é ter consciência do impacto de um presidente destes no futuro do planeta. Um presidente que em Maio disse que o aquecimento global é um embuste e que uma das suas primeiras medidas no que toca ao Ambiente seria cancelar o Acordo de Paris, que como todos deviam saber não é vinculativo, logo qualquer pais pode simplesmente ignorá-lo sem qualquer consequência. Um presidente que garantiu aos lobistas do petróleo, aos trabalhadores das industrias poluentes e a todos aqueles que não estão dispostos a abdicar de nenhuma parte do seu “american way of life” que vai traçar um plano energético que coloque as necessidades das famílias e trabalhadores americanos em primeiro lugar. Sendo que as necessidades energéticas das famílias e trabalhadores americanos são o dobro das da Grã Bretanha e duas vezes e meia as do Japão. Aliás, está mais do que provado, demostrado e divulgado que os americanos, que representam 5% da população mundial, gastam 1/3 de todo o papel, ¼ de todo o petróleo, 23% de todo o carvão e 27% de todo o alumínio. DO PLANETA!

    Quando acabei de ver o documentário [Before the Flood], de que vos falei no último post, apesar de deprimida fiquei esperançosa por saber que ainda havia maneira de reverter a espiral de destruição que vai acabar com a vida na Terra nos próximos séculos. Mas com este resultado , resta-me começar a fazer o luto. O planeta como o conhecemos começou hoje a morrer. A não ser que os líderes do resto do mundo se mantenham comprometidos e avancem com as medidas necessárias, mostrando aos EUA que não precisam deles e que a sua dependência do petróleo vai deixá-lo sozinhos, com os seus amigos do médio oriente, enquanto o resto do mundo civilizado se liberta e sobrevive com energias renováveis. E entretanto pode ser que os furacões e as secas atinjam os EUA com cada vez mais força até os americanos perceberem que quem semeia ventos colhe (literalmente) tempestades.
  • Este título é um bocado enganoso, porque em termos práticos a Terra não precisa de humanos para nada. Já viveu milhões de anos sem nós e continuará a existir quando desaparecermos. Mas precisa da nossa ajuda e sobretudo da nossa acção para continuar a ter condições para nos alimentar. É esta a grande mensagem do fabuloso documentário de Leonardo DiCaprio [Before the Flood].

    O aquecimento global está em marcha e os seus efeitos, aqueles que os cientistas há décadas pensavam que só se sentirião daqui a muitas gerações, são reais. Cheias, furacões cada vez mais devastadores, zonas do planeta em seca severa, recordes de temperaturas, o degelo, a subida do nível do mar, o envenenamento das águas, dos solos, do ar já não são cenários de ficção científica. São factos reais, noticiados todos os dias e à vista de quem quiser ver. Se continuarmos neste ritmo de destruição do planeta e dos recursos, em breve entraremos numa espiral irreversível.

    E no entanto, a tecnologia hoje disponível e os conhecimentos científicos hoje alcançados tornam possível pará-la. A Terra vai aquecer 1,5ºC no próximo século mas depois de atingir esse pico pode começar a arrefecer permitindo a sobrevivências de todas as espécies, incluindo a nossa.
    Mas convido-vos a ver o documentário e a tirarem as vossas próprias conclusões. Está disponível gratuitamente no youtube e no videoclube da Zon.

    https://youtu.be/90CkXVF-Q8M
    Vejam e façam a vossa parte tomando medidas básicas como:
    - deixar de comer carne de vaca (as outras também, mas a vaca é a que tem maior impacto como já tive oportunidade de referenciar aqui)
    - deixar de consumir produtos de marcas que claramente não têm práticas sustetáveis
    - sempre que possível optar por produtos biológicos e de marcas amigas do ambiente
    - e principalmente pressionar os governos a tomar medidas sérias e vinculativas em defesa do ambiente, como por exemplo instituir a taxa de carbono, investir nas energias renováveis e multar os infractores com penas significativas.

    Ou então não vejam, não façam nada e morram com a certeza de que os vossos netos dificilmente sobreviverão num planeta sem água potável, sem solos para a agricultura, sem o Ártíco, sem corais, sem vida.