• Há uns tempos escrevi sobre uma exposição que o artista chileno Sebastian Errazuriz fez no âmbito da Art Basel em Miami intitulada "12 shoes for 12 lovers", em que transformou as suas ex-namoradas em sapatos. Foi uma colaboração com a marca brasileira Melissa e o sucesso foi tão grande que, na altura, foram feitas umas edições limitadíssimas, apenas disponíveis nas lojas/galeria que a marca tem em São Paulo, Londres e Nova Iorque.

    A primeira coisa que senti foi inveja, confesso. Inveja de todas as pessoas que puderam comprar tais sapatos, lindos, extravagantes e inacessíveis.

    Até que no outro dia passei na loja da Melissa do Colombo e vi na montra algo que me pareceu demasiado familiar. Ia com pressa, mas os meus olhos detiveram-se em três maravilhas que se exibiam na montra: uma edição especial de três dos tais doze sapatos, agora numa versão mais comercial e acessível a todas nós. Bom, acessível não é certamente a palavra certa, já que dois dos modelos ultrapassam os quatrocentos euros. No entanto, um deles, a versão rasa de "Hot Bitch", não ultrapassa os setenta e cinco.

    Escusado será dizer que não consegui resistir. Eu, que até andava há que tempos à procura de uns sapatos vermelhos! Pois agora já tenho não apenas uns sapatos vermelhos como principalmente um bocadinho da arte de Errazuriz nos meus pés. E estou apaixonada...









  • O que fazer àqueles sapatinhos da Barbie Frozen da minha filha de dois anos, com os quais não deve brincar por serem demasiado pequeninos?
    Um brincos para mim, claro está!
    Foi só pegar nuns brincos que não usava, furar o sapatinho com uma agulha quente (dando-lhe também um calor com o isqueiro para o plástico amolecer) e voilá! 

    Ahhh, as centenas de brincos que poderia ter feito com as minhas Barbies, em vez de ficar triste porque os sapatinhos estavam sempre a cair acabando por se perder.... ;)








  • Querido Marido,

    Agora que mais um ano lectivo está a começar, lembrei-me de escrever esta carta para que os nossos dias se iniciem da melhor maneira e consigamos aguentar-nos casados até às próximas férias grandes.

    Bem sei que és inexperiente nesta coisa de ter filhos, afinal “só” temos dois, mas deixa-me dizer-te uma coisa: as manhãs não têm de ser complicadas. A sério que não. E a diferença entre começarmos o dia entre stress e gritaria ou com tranquilidade está em 6 simples passos que deverás decorar, em vez de me perguntares trezentas vezes o que é que é preciso fazer. Pode ser? Então aqui vai.

    1º passo: Acordá-los
    Na maioria das vezes eles acordam sozinhos. E cedo. Aliás, não me lembro da última vez que ouvi o despertador, pois invariavelmente um deles acorda antes deste tocar. Mas caso estejam a dormir à hora em que já deviam estar a tomar o pequeno-almoço, a rotina é simples: abrir o estore, falar em voz baixa e dar-lhes uns cinco minutos de ronha e mimos. Mais que isso já é abusar, por isso toca a ir para o segundo passo. A sério, não te deixes manipular por anjos de olhos inchados a dizerem que querem ficar na cama mais um bocadinho, senão vai sobrar para mim fazer o papel de Mãezilla.

    2º passo: Vesti-los
    Eu escolho as roupas, os sapatos, os lacinhos da filhota. Tu só tens de ajudá-los a vestir as cuecas do lado certo e a não calçar os sapatos ao contrário, já que a partir de certa idade (mais ou menos aos dois anos) eles gostam de fazer tudo sozinhos e precisam apenas de uma orientação.

    3º passo: Alimentá-los
    Eles já falam e sabem bem o que querem. Basta perguntar o que lhes apetece comer nessa manhã! Simples, não é? No caso de os veres indecisos podes dar umas sugestões, por exemplo “Torradas e sumo?”, “Cereais com Iogurte?”. Sei que, por norma, tem de ser a mamã a fazer o pequeno-almoço, porque a mamã é que sabe a quantidade certa de Cerelac, a porção ideal de manteiga, a maneira correcta de tirar a côdea, fazer um rolinho com a fatia de queijo, etc., mas se não podes ajudar na tarefa em si, podes ajudar de outras formas. Por exemplo, abraçando os passos que vêm a seguir.

    4º passo: Higienizá-los
    Antes de sair de casa é obrigatório fazer xixi, lavar a cara, as mãos e os dentes. Não é um exclusivo das crianças é uma prática corrente entre todos os seres humanos.

    5º passo: Verificar mochilas e outros
    É só abrir o fecho éclair, espreitar para o interior da mesma e verificar se estão lá os cadernos, os chapéus, os bonecos preferidos. Só para não haver dramas e não ser preciso voltar a casa três vezes quando já estamos todos à saída da garagem.
    O “outros” é confirmar (comigo, sim) se algum deles estar a tomar alguma medicação ou precisa de pôr uns pingos no nariz ou tem de levar alguma coisa fora do habitual para a escola nesse dia. Podes perguntar-lhes que normalmente eles sabem melhor do que eu.

    6º passo: Expulsá-los
    Este passo é fácil: basta vestir-lhes os casacos e empurrá-los para dentro do elevador, tendo em atenção que um de nós tem de estar lá com eles, de preferência vestido e calçado, o que parece óbvio mas nem sempre acontece.

    E pronto, é isto. A nossa higienização, a nossa alimentação, a nossa indumentária, é tudo secundário. É algo que temos de aprender a fazer à vez e em tempo recorde.

    Sim, eu sei que é duro. Sim, eu também me lembro (embora com cada vez menos nitidez) de como eram as nossas manhãs há meia década. Não és só tu que tens saudades desses tempos. Tempos em que eu fazia um joggingzinho matinal, em que tomava banho sem que qualquer ser me abrisse a cortina para perguntar coisas importantíssimas como “hoje é quinta-feira, mamã?”, em que me dava ao luxo de tomar o pequeno-almoço sentada no sofá enquanto via as notícias, imagina!

    Só que esses tempo já se foram. Não para sempre; daqui a uns anos eles já saberão fazer tudo sozinhos e até irão gostar tanto de dormir que precisarão de um despertador bem barulhento para conseguirem sair da cama. Até lá, por favor, pára de me perguntar todas as manhãs o que é que é preciso fazer, como se todos os dias fossem diferentes. Não são. A rotina é sempre a mesma. Só tens de estar consciente destes seis passinhos e perceber em qual deles estamos quando sais do banho.


    Beijinhos da tua mulher que te ama muito, embora antes do meio dia não pareça,

    (assinar e deixar em lugar visível)