• No outro dia, uma amiga mandou-me uma mensagem a dizer que ia levar o meu livro numa viagem até Bali. Fiquei muito feliz, claro, e respondi algo do género "já que não vou eu, vai a minha Vanessa contigo". Só então  me apercebi da dimensão destas palavras.
    As personagens que crio viajam realmente até sítios onde eu nunca irei. As personagens que crio vivem em lugares que nem sei bem onde ficam. A partir do momento em que publico as minhas histórias, elas deixam de ser minhas e passam a ser de uma outra estante, de uma outra mesa-de-cabeceira, de uma outra pessoa, com uma outra vivência, que ouve outro tipo de música e gosta de outro tipo de comidas.
    Eu, que na adolescência fiquei desolada quando percebi que não ia ter tempo nesta vida para visitar todos os lugares que gostava; eu, que sonhava viver em Nova Iorque, Rio de Janeiro ou em Paris, nem que fosse durante uma temporada; eu, que nos últimos três anos não consegui nem sequer passar a fronteira, apercebo-me, finalmente, que as minhas palavras andam soltas pelo mundo.
    É essa a magia da escrita: mesmo sem sair de Lisboa posso deixar um pouco de mim em todos os lugares para onde os meus leitores escolherem levar-me, e a partir de Lisboa posso levar os meus leitores para lugares que eles nunca tinham imaginado. Que bom!


  • O Verão não está a ser o que esperava em termos de tempo. Entre dias horrivelmente ventosos, águas geladas e pouco calor, parece que estamos no norte da Europa. Mas como nem tudo pode ser mau, este Verão trouxe consigo novos produtos e marcas 100% portugueses de fazer cair o queixo a muita multinacional. Tudo ideias de empreendedores com menos de 40 anos, a mostrar que, afinal, esta geração de rasca tem muito pouco.





    Muitos de vocês sabem que sou uma acérrima defensora do nosso ambiente. Infelizmente, são poucas as marcas giras e realmente sustentáveis, pelo que, ser ecológica e fashion ao mesmo tempo torna-se uma tarefa muito complicada. Por isso, fiquei rendida aos SKOG: óculos de madeira ou bambu, giros, leves, resistentes, com lentes polarizadas de alta qualidade e tudo isto a partir de €50. Aliás, fiquei tão rendida que aceitei de imediato o convite para ser uma das embaixadoras da marca. Não são o máximo?




    Sapatos lindos, de alta qualidade e em edições limitadas a quarenta pares: o sonho de qualquer fashion victim. A marca é portuguesa e o fabrico divide-se entre Portugal e o Brasil em infra-estruturas que oferecem condições dignas de trabalho e não utilizam mão-de-obra infantil. Mais dez pontos para a ROS!





    Quando um dos fundadores da marca é um dos nossos nadadores olímpicos, é caso para dizer que é alguém que sabe o que é preciso para fazer calções e fatos de banho confortáveis e super resistentes. Além disso, giros e com uma colecção personalizável. Para dar cor a qualquer piscina.




    Chapeús há muitos, mas destes já ninguém faz. Ou fazia. Sim, os tradicionais chapéus-de-sol de tecido voltaram pela mão de duas amigas que não vivem sem praia. Os tecidos são o máximo e há pouco stock de cada modelo para que sejam sempre originais. Quero!!!




    Uma toalha que vem com uns pauzinhos para fazer um encosto e que, ainda por cima, se dobra e guarda num saco giríssimo. Um pára-vento que se transforma em tenda. Toalhas XL e outras invenções práticas e originais. Irresistíveis.


    A ver se com estas ideias, o Verão vem dar um ar da sua graça. :)