• Há onze anos as nossas vidas cruzaram-se e ficaram enleadas. 

    Enleadas, emaranhadas, entrançadas, fundidas. Irremediavelmente unidas. 

    Já não sei quem era antes. Já não me lembro com o que sonhava. Parece que foi noutra vida, em que eu era outra pessoa. E era necessariamente. Já não consigo imaginar o que ocupava o meu pensamento antes de este estar ocupado por ti.

    Há onze anos atrás as nossas vidas cruzaram-se e ficaram enleadas. 

    São quatro mil e dezoito dias partilhados. Quatro mil e dezoito dias de emoções, momentos, imagens. Quatro mil e dezoito dias em que te tornaste parte de mim. E hoje, para celebrar, gostava de te raptar e passar o dia enroscada em ti, como fazíamos há onze anos atrás, alheados do mundo, mergulhados um no outro sem obrigações. Desfolharia cada rosa que me deste e em cada pétala desvendaria uma das nossas histórias. Porém, não o posso fazer e não tenho nada para te oferecer para além do meu profundo amor.